• Português
  • Español
  • English
  • Alemao
  • Francês

CONTATO

Uma tarde na Costa da Lagoa

« Voltar para Grande Florianópolis

Enviado por Francis França em 00/00/0000

Quando amanhece na Lagoa da Conceição, a água veste-se de milhares de pontos brilhantes refletidos pelo sol e, ao longe, os garapuvus, árvore símbolo da cidade, pintam de amarelo os morros da Costa da Lagoa. A essa hora, os habitantes da região já estão prontos para dar aos visitantes um dia perfeito de contato com a natureza, tranqüilidade, cultura e boa comida. Os peixes e frutos do mar que serão servidos no almoço acabaram de ser pescados ali mesmo, na lagoa. Os barqueiros estão a postos, consertando redes, preparando os barcos, contando histórias.

A Costa da Lagoa é uma localidade isolada da agitação da capital, situada na margem Noroeste da Lagoa da Conceição, onde vivem cerca de mil habitantes. O vilarejo foi tombado pelo município como Área de Preservação Cultural, considerado um dos últimos redutos da cultura açoriana.

Para chegar, barco ou trilha
Três caminhos levam à Costa da Lagoa: a pé, de bicicleta ou de barco. A trilha parte do Canto dos Araçás, recanto à esquerda da ponte da Lagoa (sentido Centro/ Bairro), toma 2h de caminhada, é de fácil acesso, bem demarcada e tem 8 km. O percurso é cercado de Mata Atlântica, enseadas e ruínas das Sete Vilas.

A segunda opção é pegar um barco. A viagem dura cerca de uma hora. Existem 23 pontos de ancoragem, que custam R$ 4 por pessoa, ida e volta, no inverno ou no verão. A vantagem é que, se você optar pela trilha e cansar no meio do caminho, pode fazer o restante do caminho de barco.

O terceiro caminho parte do interior do Parque Florestal do Rio Vermelho. Para chegar, tanto pelo Sul, passando pela Barra da Lagoa, quanto pelas praias do Norte, cruza-se a floresta às margens da SC-406. A entrada para a Costa da Lagoa é indicada pela placa do Terminal Lacustre, onde ficam os barcos.

Peixes locais são destaques
Ao atracar no “centrinho” da Costa da Lagoa, basta escolher um dos restaurantes à beira d’água, acomodar-se e apreciar a paisagem com uma boa cerveja. A especialidade são os peixes e frutos do mar apanhados ali mesmo. Nos locais mais movimentados da Lagoa as águas são poluídas pelo excesso de esgoto doméstico. Ali, não: a qualidade é atestada regularmente.

No restaurante Sabor da Costa (funciona das 10h às 19h30 – tels. 3335-3070, 9973-7778, 9980-3526), todo o trabalho é feito em família. Os proprietários caçam com redes e arpões peixes nativos como garoupas, caranhas, carapevas, além de camarões e siris. A família também cuida da cozinha e do atendimento aos turistas. No verão, o restaurante fica aberto todos os dias. No inverno, não. Os comerciantes confiam na máxima: “No inverno, em dia de vento sul e chuva, nem gato sai de casa”.

Os peixes da lagoa têm sabor suave e bons preços. Uma seqüência de camarão bem servida, para duas pessoas,  acompanhadas de filé de carapeva ao molho de camarão, arroz, batatas fritas e pirão de peixe chega a custar a metade do preço cobrado em outras praias. Na temporada de verão, o tradicional e aconchegante atendimento familiar é prejudicado pelo grande número de turistas, o que exige um pouco de paciência. O ideal é chegar cedo para ser bem atendido e aproveitar melhor o passeio.

Cachoeira e natureza exuberante completam o cenário
Atrás dos restaurantes, o casario dos moradores chama a atenção. Partindo do “centrinho” para o Sul há uma cachoeira. Para o outro lado, em direção Norte, está a trilha que leva ao bairro de Ratones. A subida exige preparo físico e dura até 20 minutos. Mas o esforço compensa. Do alto se vê toda a Lagoa da Conceição, as dunas da Joaquina, os morros da Praia Mole, o farol da Barra da Lagoa, a praia do Moçambique...

Para partir, basta chamar o barco. Os próprios funcionários dos restaurantes ligam, e os barqueiros passam de trapiche em trapiche para levar os visitantes.