• Português
  • Español
  • English
  • Alemao
  • Francês

CONTATO

Corupá das muitas cachoeiras

« Voltar para Caminho dos Príncipes

Enviado por Werner Zotz em 10/10/1996

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     Texto original: Werner Zotz
Adaptação: Letícia de Assis

Nos contrafortes da Serra do Mar, em meio à Mata Atlântica, 14 cachoeiras despencam nas águas de um mesmo rio, compondo um roteiro de beleza e encanto.

    É quase meio-dia. A Mata Atlântica se aquieta em silêncio. O ouvido nos avisa que, logo adiante, vamos encontrar mais uma cachoeira. A trilha acompanha o contorno da montanha, uma curva à esquerda, outra à direita. Os olhos acompanham a direção apontada pelo ouvido. A luz do sol encontra caminho no cânion rasgado pelas águas na encosta rochosa da montanha e ilumina a cachoeira. O verde da mata, nas proximidades da água, brilha em tons mais claros, aquecido pela luz.
    Ainda estamos no início da subida e, encantados pelo espetáculo, já perdemos a conta do número de cachoeiras. A placa indicativa nos avisa que esta é apenas a quinta. Tem um nome sugestivo: Cachoeira do Repouso. Cansados, paramos por alguns minutos... É um sábado de inverno com céu azul. Devia fazer frio, mas muitos do grupo já estão suados. A idéia de deixar os agasalhos no carro tinha sido providencial! Depois de beber água cristalina de uma vertente na encosta, num copo improvisado de folha de caeté, continuamos a subir...

Os caminhos de Corupá

    A cidade de Corpupá fica no norte do estado e pode-se chegar lá por três rotas. O caminho mais comum, normalmente percorrido por quem vem de Florianópolis ou Curitiba, parte da BR-101. No trevo com a SC-280, 15 km ao sul de Joinville, deve-se tomar rumo oeste. Deste trevo até Jaraguá do Sul são 25 km. De Jaraguá até Corupá, outros 18 km. Quem está em Blumenau, pode chegar a Jaraguá do Sul (para depois seguir pela SC-280 até Corupá), passando por Pomerode ou Massaranduba. De Curitiba há um terceiro caminho pela BR-116. Viajar 50 km rumo ao sul, dobrar à esquerda, seguindo pela estrada do Mato Preto. Até São Bento do Sul são mais 50 km passando por Agudos do Sul, Pien e Fragosos. Em São Bento do Sul, pegar a SC-280 e descer a serra até Corupá. É preciso cuidado com o trecho de serra desta estrada: a paisagem é bonita, mas as curvas são muitas. No inverno, o perigo aumenta, principalmente à noite, com fortes nevoeiros.

Hansa Humbolt

    A pequena cidade nasceu como Hansa Humbold, em homenagem ao famoso naturalista alemão, viajante incansável e pioneiro na descoberta de muitas belezas naturais Brasil afora. Passou a chamar-se Corupá, “lugar de muitas pedras”, no fim dos anos 40, decorrência do clima hostil que se instalou no Brasil contra os alemães, no período da Segunda Guerra.
    Colonizada por alemães, suíços, italianos e poloneses, ainda hoje guarda as marcas desta mistura de culturas que se evidencia na comida, na língua, nas construções. A cidade é pequena, pacata, com ruas calçadas margeando um rio de muitas corredeiras.
    A paisagem transforma-se algumas centenas de metros além do perímetro urbano. As casas eixamel estão ladeadas por estábulos e potreiros.

Terra das cachoeiras

    Encravada no contraforte da Serra do Mar, Corupá tem geografia acidentada. Sua altitude média é de 62 metros acima do nível do mar, mas os morros se agigantam em torno do vale, com elevações de quase mil metros. É nestas encostas que se encontram as nascentes dos principais formadores do Rio Itapocu, que dá nome a todo o vale.
    A quantidade de pequenos rios e a geografia acidentada criaram as condições para fazer de Corupá a terra das cachoeiras. Algumas estimativas situam seu número em torno de uma centena. Além das 14 que formam o Parque Municipal do Rio Novo, a Cachoeira Véu de Noiva, no Rio São Paulo, merece destaque. No Braço Esquerdo, há outras duas grandes quedas com 80 metros.

Parque Ecológico

    O Parque Ecológico Emílio F. Battistella, mais conhecido como Parque Municipal do Rio Novo, é uma área particular com 2.100 ha, cedida à prefeitura do município, responsável pela abertura e conservação das trilhas. O acesso ao parque pode ser feito em qualquer tempo. São 14 km de boa estrada. No pé do morro há estacionamento para 60 carros, restaurantes, banheiros, churrasqueiras.
    A Rota das Cachoeiras é formada por 14 quedas de água, todas num mesmo curso do Rio Novo. A primeira delas, a Cachoeira do Suspiro, fica a 100 metros do estacionamento. Para chegar até a última é preciso caminhar 2.870 metros, subindo mais de 500 metros. Nem podia ser diferente:a maior é a última, a Cachoeira do Salto Grande, com suas águas caindo 125 metros em queda livre.
    O esforço vale a pena. Difícil apontar a mais bonita das cachoeiras. Cada uma tem seu encanto, independente do tamanho. Além disto, estão situadas dentro de uma reserva ainda bem preservada de Mata Atlântica.

Outro passeios

    Os amantes de trekking pesado não podem perder a escalada do Morro do Boi, de onde se tem uma visão abrangente de todo o vale.
    A 3 km do Centro está o Seminário Sagrado Coração de Jesus. A parte mais antiga da edificação é de 1929 e sua construção foi feita com tijolos aparentes e amarração por presilhas de ferro parafusadas. Na parte frontal, um jardim em estilo francês, com ciprestes e cercas vivas. Construído para ser auto-sustentável, num tempo em que seminaristas viviam enclausurados, possui pastagens com gado leiteiro e diversas plantações, nos moldes dos antigos monastérios europeus. Além da igreja, tem claustro para religiosos e um museu com bichos empalhados, que pode ser visitado durante o ano letivo.
    Na região, há um antigo caminho ferroviário subindo a serra até o município de Rio Negrinho. Este caminho pode ser percorrido de trem, com vagões puxados por uma antiga e verdadeira Maria Fumaça, passando por inúmeros túneis cavados na montanha, e pelos vilarejos de Rio Natal, Rio Vermelho e Serra Alta.